Presidentes Militares do Brasil: Conheça os 10 líderes que surgiram das Forças Armadas

Presidentes Militares do Brasil: Conheça os 10 líderes que surgiram das Forças Armadas
Brasão da República Federativa do Brasil

Presidentes Militares do Brasil – um título que evoca imagens de liderança firme e autoridade, mas também de controvérsia e debate.

É inegável que os presidentes militares tiveram um papel importante na história política do Brasil, moldando o país em termos de economia, política e cultura.

Embora nem todos os líderes militares tenham deixado um legado positivo, é inegável que sua influência ainda é sentida hoje.

Os presidentes militares do Brasil foram líderes que emergiram em um período conturbado da história política do país, marcado por instabilidade, crises econômicas e sociais, além de conflitos internos e externos.

Em meio a esse cenário, as Forças Armadas brasileiras se tornaram cada vez mais influentes, e os líderes militares se consolidaram como figuras-chave no processo de tomada de decisões.

Embora muitas vezes controversos, esses líderes militares introduziram mudanças significativas no Brasil, como a modernização da economia e a promoção da infraestrutura, além de reformas políticas e sociais.

Suas políticas também levantaram questões difíceis, como a relação entre poder e democracia, os direitos humanos e a liberdade de expressão.

A história dos presidentes militares do Brasil é, portanto, um tema fascinante para aqueles que desejam entender o desenvolvimento do país e as complexidades de seu sistema político.

Neste artigo, vamos explorar a vida e o legado dos presidentes que surgiram das Forças Armadas, analisando suas realizações, desafios e impacto na sociedade brasileira.

Sumário

Deodoro da Fonseca

Presidentes Militares do Brasil: Marechal Deodoro da Fonseca
Marechal Deodoro da Fonseca

Deodoro da Fonseca, um dos personagens mais importantes da história do Brasil, é lembrado até hoje como um dos primeiros Presidentes Militares do Brasil e uma figura fundamental na consolidação do regime republicano.

Com uma trajetória marcada por sua forte atuação nas forças armadas, Deodoro liderou o movimento que depôs o Imperador Pedro II e instituiu o regime republicano no país.

Como primeiro presidente do Brasil, enfrentou inúmeros desafios, como a insatisfação de setores da sociedade com a nova ordem política e a oposição de líderes militares descontentes com seu governo.

Mesmo assim, durante seu mandato, promulgou a primeira Constituição Republicana em 1891 e criou o Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio.

Sua gestão, no entanto, foi turbulenta, marcada por dificuldades em equilibrar o orçamento e lidar com a instabilidade política e econômica do período.

Em 1891, Deodoro da Fonseca renunciou ao cargo de presidente, sendo sucedido por Floriano Peixoto.

Apesar dos desafios enfrentados, Deodoro da Fonseca é lembrado como um dos principais líderes da história do Brasil e sua figura é frequentemente associada ao início do período dos Presidentes Militares do Brasil.

Sua contribuição para a construção do país que temos hoje é inegável, e sua atuação como líder militar e primeiro presidente do Brasil foi fundamental para a consolidação do regime republicano no país.

A história de Deodoro da Fonseca é, portanto, um tema importante para aqueles que desejam entender a evolução do sistema político brasileiro e o papel dos líderes militares na história do Brasil.

Floriano Peixoto

Presidentes Militares do Brasil: Floriano Peixoto
Floriano Peixoto

Floriano Peixoto, um dos Presidentes Militares do Brasil, é um importante militar e político brasileiro que se destacou durante a Guerra do Paraguai como tenente-coronel.

Após a Proclamação da República em 1889, Peixoto assumiu a presidência da província de Mato Grosso e posteriormente tornou-se Ministro da Guerra no governo provisório de Deodoro da Fonseca, outro dos Presidentes Militares do Brasil.

Em 1891, após a renúncia de Deodoro, Peixoto assumiu a Presidência da República e enfrentou diversas revoltas, como a Revolta da Armada e a Revolução Federalista, durante seu mandato presidencial.

Peixoto ficou no poder até 1894, quando foi sucedido por Prudente de Morais.

Ele faleceu no ano seguinte, em Barra Mansa, Rio de Janeiro.

Além de ter sido um dos líderes da Revolta da Armada, movimento que teve um papel fundamental na queda do Imperador Pedro II em 1889, Floriano Peixoto foi o primeiro presidente do Superior Tribunal Militar, cargo que ocupou de 1891 a 1895.

Ele se casou com Josina Peixoto em 1872 e teve oito filhos. Seu nome foi dado a uma cidade no estado do Piauí.

Assim, Floriano Peixoto, um dos Presidentes Militares do Brasil, é lembrado como uma figura importante na história do país.

Hermes da Fonseca

Presidentes Militares do Brasil: Hermes da Fonseca
Hermes da Fonseca

Hermes da Fonseca é um dos nomes mais importantes da história do Brasil. Nascido em 1855, em São Gabriel, no Rio Grande do Sul, ele seguiu a carreira militar, assim como seu pai e seu tio, que foi o primeiro presidente do Brasil, Deodoro da Fonseca.

Hermes participou de diversos movimentos republicanos e militares, como a Proclamação da República, a Revolta da Armada e a Revolta da Vacina.

Em 1910, Hermes da Fonseca foi eleito presidente do Brasil, tornando-se o primeiro gaúcho a assumir o cargo.

Seu governo enfrentou diversas crises políticas e sociais, como a Revolta da Chibata e a Guerra do Contestado.

A Revolta da Chibata foi liderada por João Cândido, um marinheiro negro que protestava contra os castigos físicos que eram aplicados aos marinheiros.

A Guerra do Contestado, por sua vez, foi um conflito armado entre as populações locais e as forças militares, motivado pela disputa de terras na região de Santa Catarina e Paraná.

Hermes da Fonseca também teve duas esposas, Orsina Francioni e Nair de Tefé, esta última uma artista e caricaturista.

Ele faleceu em 1923, em Petrópolis, deixando um legado importante para a história do Brasil.

Além de ter participado de momentos cruciais da história brasileira, Hermes foi também ministro da Guerra no governo de Afonso Pena e promovido a marechal em 1906.

Seu legado é lembrado até os dias de hoje, como um exemplo de dedicação à pátria e amor à causa republicana.

Eurico Gaspar Dutra

Presidentes Militares do Brasil: Eurico Gaspar Dutra
Marechal Eurico Gaspar Dutra

Eurico Gaspar Dutra foi um importante militar e político brasileiro, que governou o país de 1946 a 1951, como o 16º presidente do Brasil.

Ele chegou ao poder após a saída de Getúlio Vargas em 1945.

Durante seu governo, Dutra teve um papel importante na luta contra o comunismo, proibindo o Partido Comunista Brasileiro e os jogos de azar no país.

Ele também estreitou os laços com os Estados Unidos, tornando-se um aliado estratégico dos norte-americanos.

Dutra nasceu em Cuiabá em 1883 e iniciou sua carreira militar em 1902, na Escola Preparatória e Tática de Rio Pardo, no Rio Grande do Sul.

Ele participou de diversos conflitos armados ao longo de sua vida, incluindo a Revolta da Vacina, a Revolução Constitucionalista de 1932 e a Intentona Comunista de 1935.

Ele era um homem de confiança de Getúlio Vargas, tendo sido nomeado Ministro da Guerra em 1936.

Dutra apoiou a instalação do Estado Novo em 1937 e organizou a Força Expedicionária Brasileira (FEB) que lutou na Itália durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1945, Dutra afastou-se do ministério para concorrer à presidência da República pelo PSD, com o apoio do PTB.

Ele venceu as eleições com 55% dos votos, derrotando Eduardo Gomes da UDN e Yedo Fiúza do PCB.

Dutra assumiu o cargo em 31 de janeiro de 1946 e promulgou a Constituição de 1946, que garantia as liberdades individuais e extinguia a pena de morte no país.

Ele tentou implementar o plano SALTE para melhorar a saúde, a alimentação, o trabalho e a energia, mas não obteve sucesso por falta de recursos.

Dutra deixou a presidência em 31 de janeiro de 1951, sendo sucedido por Getúlio Vargas, que voltou ao poder pelo voto popular.

Mesmo após sua saída do cargo, Dutra continuou influente nos meios militares e políticos, filiando-se à ARENA durante o regime militar.

Ele faleceu no Rio de Janeiro em 11 de junho de 1974, aos 91 anos de idade.

Humberto de Alencar Castelo Branco

Presidentes Militares do Brasil: Humberto de Alencar Castelo Branco
Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco

Humberto de Alencar Castelo Branco foi um político e militar brasileiro que governou o país entre 1964 e 1967.

Durante seu mandato, foram implementadas medidas que combatiam grupos armados e de espionagem, como a criação do SNI e a Lei de Imprensa.

Além disso, foi instituído o bipartidarismo e a Lei de Segurança Nacional.

Castelo Branco nasceu em Fortaleza, no Ceará, em 1897. Ele ingressou na carreira militar aos 14 anos e chegou a chefiar o estado-maior do Exército em 1963.

Em 1964, ele foi um dos líderes do movimento que depôs o presidente João Goulart. Posteriormente, foi eleito presidente do país pelo Congresso Nacional.

Em 1967, Castelo Branco faleceu em um acidente aéreo. Seu governo foi um dos primeiros de uma série de mandatos de Presidentes Militares do Brasil, que governaram o país de forma firme até o fim da década de 1980.

Artur da Costa e Silva

Presidentes Militares do Brasil: Artur da Costa e Silva
Costa e Silva

Artur da Costa e Silva foi um militar e político brasileiro que foi o segundo presidente do Brasil durante o período em que os militares governaram o país.

Ele foi um dos líderes que apoiaram a ação dos militares que depuseram o presidente João Goulart e, durante seu governo, adotou medidas que visavam o desenvolvimento econômico do país.

Ele também decretou um ato institucional que ampliou seus poderes e suspendeu as atividades do Congresso Nacional, que foram necessárias, se utilizando da constituição federal vigente na época, para a manutenção da soberania nacional.

Infelizmente, em 1969, ele sofreu um derrame cerebral e acabou falecendo.

Costa e Silva foi um dos Presidentes Militares do Brasil que governou o país em um período turbulento da história do país.

Emílio Garrastazu Médici

Presidentes Militares do Brasil: Emílio Garrastazu Médici
Emílio Garrastazu Médici

Emílio Garrastazu Médici foi um general e político brasileiro que se tornou o 28º Presidente do Brasil entre 1969 e 1974.

Ele foi o terceiro presidente do período conhecido como “Anos de Chumbo” dos Presidentes Militares do Brasil.

Seu governo foi marcado pela luta contra as guerrilhas, censura, e um crescimento econômico rápido, chamado de “Milagre Brasileiro”.

Ele nasceu em Bagé, Rio Grande do Sul, em 1905, filho de um fazendeiro rico de origem italiana. Médici estudou no Colégio Militar de Porto Alegre e na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, e apoiou a Revolução de 1930 liderada por Getúlio Vargas.

Médici apoiou o a ascensão dos militares ao poder em 1964 e ocupou vários cargos importantes no regime, incluindo adido militar em Washington, chefe do Serviço Nacional de Informações (SNI) e comandante do III Exército.

Ele foi eleito presidente pelo Congresso Nacional em 1969, após o afastamento de Costa e Silva por motivos de saúde.

Como terceiro presidente dos Presidentes Militares do Brasil, Médici incorporou o Ato Institucional nº 5 (AI-5) à Constituição brasileira.

Médici enfrentou a resistência armada de grupos guerrilheiros urbanos e rurais, como o MR8 e a ALN, que realizaram sequestros, assaltos e atentados contra autoridades militares e estrangeiras.

No entanto, ele promoveu o chamado “Milagre Econômico”, um período de alto crescimento econômico baseado em pesados empréstimos externos, incentivos à indústria nacional e à exploração na Amazônia.

Durante seu governo, foram inauguradas obras importantes, como a hidrelétrica de Ilha Solteira, a refinaria de Paulínia, a ponte Rio-Niterói e as rodovias Transamazônica, Cuiabá-Santarém e Manaus-Porto Velho.

Emílio Garrastazu Médici deixou o poder em 1974, sendo sucedido por Ernesto Geisel. Ele morreu em 1985, no Rio de Janeiro, aos 79 anos.

Como um dos Presidentes Militares do Brasil, sua gestão foi marcada pela luta contra a guerrilha e o chamado “Milagre Econômico”.

Ernesto Geisel

Militares Presidentes do Brasil: Ernesto Geisel
Ernesto Geisel

Os Presidentes Militares do Brasil governaram o país durante um período de intensa luta, para se manter a soberania do país.

Um dos mais conhecidos é Ernesto Geisel, que foi o 29º presidente do país entre 1974 e 1979.

Ele é reconhecido como um dos responsáveis sucesso da ascensão do governo militar de 1964, também é lembrado por seu papel na redemocratização do país.

Ernesto Geisel nasceu em Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, em 1907, filho de imigrantes alemães.

Ele começou sua carreira no Colégio Militar de Porto Alegre e na Escola Militar do Realengo, onde se destacou por sua dedicação e liderança.

Ele participou da Revolução de 1930 e ocupou cargos políticos em vários estados do país.

Geisel também foi um dos articuladores para a ascensão dos militares ao poder em 1964 e ocupou a chefia da Casa Militar nos governos de Jânio Quadros e Castelo Branco.

Ele se tornou presidente da Petrobras em 1969 e, quatro anos depois, foi eleito presidente da República.

Durante seu governo, Geisel iniciou o processo de abertura política, dando mais espaço para a oposição e criando novos partidos políticos.

Ele também enfrentou a crise econômica causada pelo choque do petróleo e promoveu obras importantes na área de energia e transportes.

Destaca-se a Usina Hidrelétrica de Itaipu e o metrô de São Paulo e Rio de Janeiro.

Ernesto Geisel morreu em 1996, aos 89 anos, vítima de câncer.

Ele deixou um legado marcado por sua contribuição para a redemocratização do país e pelo desenvolvimento de importantes obras de infraestrutura.

Seu nome faz parte da história dos Presidentes Militares do Brasil, que governaram o país em um período controverso de sua história.

João Figueiredo

Presidentes Militares do Brasil: Figueiredo
João Figueiredo

João Figueiredo foi um militar e político brasileiro que governou o Brasil entre 1979 e 1985.

Ele foi o último presidente do período conhecido como “Regime Militar”.

Figueiredo tentou promover uma abertura política controlada, mas enfrentou muita resistência popular e crise econômica durante seu mandato.

Ele era filho de um general que participou da Revolução Constitucionalista de 1932 e ingressou na carreira política em 1961.

Figueiredo ocupou vários cargos no governo militar, como chefe do Serviço Nacional de Informações (SNI) e ministro-chefe do Gabinete Militar.

Ele foi eleito presidente pelo Colégio Eleitoral em 1979, com o apoio da Aliança Renovadora Nacional (ARENA).

Durante seu governo, Figueiredo tentou lidar com a crise econômica que atingiu o país na época, mas enfrentou muita oposição em relação à sua política de abertura política controlada.

Figueiredo foi casado com Dulce Figueiredo e teve dois filhos. Ele morreu em 1999, no Rio de Janeiro.

Sua presidência foi um marco importante na história política do Brasil, pois encerrou um período de mais de 20 anos de governos militares.

Hoje, ele é lembrado como um dos presidentes militares do Brasil, que tentou promover uma transição pacífica.

Jair Messias Bolsonaro

Presidentes Militares do Brasil: Jair Messias Bolsonaro
Jair Messias Bolsonaro

Jair Bolsonaro é um político e ex-militar brasileiro, foi filiado ao Partido Liberal (PL).

Ele foi eleito o 38º presidente do Brasil nas eleições de 2018, para o mandato de 2019 a 2022, com 55,13% dos votos.

Ele se formou na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, Rio de Janeiro, e alcançou a patente de Capitão.

Sua carreira política começou em 1988, quando foi eleito vereador do Rio de Janeiro pelo Partido Democrata Cristão (PDC).

Foi eleito deputado federal em 1990, tendo sido reeleito várias vezes por diferentes partidos, até se filiar ao PSL em 2018.

Foi casado três vezes e tem cinco filhos, quatro deles atuando na política. Bolsonaro foi esfaqueado durante a campanha eleitoral em 2018.

Em 2022, concorreu à reeleição, mas foi derrotado por Luiz Inácio Lula da Silva.

A história de Bolsonaro se conecta com a história dos Presidentes Militares do Brasil, uma vez que ele é um ex-militar que defende a atuação do Exército e tem ideais políticos semelhantes aos dos governos militares que governaram o Brasil entre 1964 e 1985.

Presidentes Militares do Brasil: Conclusão

Os presidentes militares do Brasil foram figuras que moldaram a história do país em muitos aspectos.

Suas lideranças firmes trouxeram tanto benefícios quanto controvérsias, deixando um legado positivo que ainda é sentido hoje.

Embora alguns líderes tenham sido criticados por serem firmes, outros foram responsáveis por importantes avanços econômicos e sociais.

É inegável que as Forças Armadas brasileiras tiveram um papel central no processo político do Brasil naquele período, quando o país enfrentava instabilidade política e crises econômicas e sociais.

Diante desse cenário, a liderança militar emergiu como uma figura-chave na tomada de decisões e na busca por soluções para os problemas do país.

Os presidentes militares do Brasil lideraram importantes mudanças e transformações no país, como a modernização da economia, a construção de infraestrutura e a implementação de reformas políticas e sociais.

Em resumo, a história dos presidentes militares do Brasil é fascinante e relevante para entender o desenvolvimento do país e sua atual configuração política e social.

Conhecer os legados desses líderes é uma forma de aprender com o passado e pensar em caminhos para o futuro do Brasil.