General Braga Netto

Nasceu: 11 de março de 1957

Suas redes sociais:

General Braga Netto é um dos mais importantes militares brasileiros da atualidade, tendo se destacado por sua trajetória marcada pelo comprometimento e dedicação às forças armadas do país.

Sua carreira é uma verdadeira inspiração para todos aqueles que buscam servir à pátria com honra e lealdade.

Com uma vasta experiência em diversas áreas militares, o General Braga Netto se consolidou como uma figura respeitada e admirada por seus pares e pela população em geral.

Seu trabalho na área de inteligência, em especial, é reconhecido como um dos mais importantes para a segurança nacional, tendo desempenhado papel fundamental em diversas operações de grande porte.

Nesta biografia, vamos conhecer em detalhes a trajetória de sucesso do General Braga Netto, desde seus primeiros anos de formação até as suas mais recentes conquistas na carreira militar.

Através dessa história de vida incrível, podemos aprender lições valiosas sobre coragem, comprometimento e amor à pátria.

Ele é casado com Kathya Braga Netto e tem dois filhos: Walter e Eduardo.

Sumário:

General Braga Netto e a sua carreira militar

O General Braga Netto é um militar brasileiro com uma carreira de 45 anos marcada por diversas funções e missões.

Sua trajetória começou em 1975, quando ingressou na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) e se formou em 1978 na arma de cavalaria.

Desde então, Braga Netto serviu em diversos esquadrões e regimentos do Exército, além de ter cursado a Escola de Educação Física do Exército e a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO), onde obteve mestrado em Operações Militares.

Ele também foi instrutor da AMAN e da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME), além de ter sido assessor da Subsecretaria de Programas e Projetos da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República e oficial de Gabinete do comandante do Exército.

General Braga Netto foi promovido a coronel em 2001 e, posteriormente, a general de brigada em 2009, quando comandou a 1ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, em Santiago (RS), e foi chefe do Estado-Maior do Comando Militar do Sul, em Porto Alegre (RS).

Em 2014, foi promovido a general de divisão e assumiu o comando da 1ª Região Militar (Região Marechal Hermes da Fonseca), no Rio de Janeiro, e em 2017, foi promovido a general de exército e assumiu o comando do Comando Militar do Leste (CML).

Em 2018, General Braga Netto foi nomeado pelo então presidente Michel Temer como interventor federal no estado do Rio de Janeiro na área da Segurança Pública, com poderes de governador nessa área.

Ele coordenou as operações das forças federais e estaduais e implementou medidas para reestruturar as instituições policiais, com o objetivo de combater a violência e o crime organizado no estado.

Em 2019, Braga Netto assumiu a chefia do Estado-Maior do Exército, em Brasília, sendo o principal assessor do então comandante do Exército, Edson Leal Pujol.

Em 2020, ele foi convidado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir o cargo de ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, substituindo Onyx Lorenzoni.

Como ministro da Casa Civil, Braga Netto coordenou o Centro de Coordenação das Operações do Comitê de Crise da Covid-19, além de atuar na articulação política com o Congresso.

Sua atuação como Ministro da Casa Civil

General Braga Netto foi nomeado ministro-chefe da Casa Civil em 18 de fevereiro de 2020, substituindo Onyx Lorenzoni, que havia sido transferido para o Ministério da Cidadania.

Foi a primeira vez desde o governo militar que um militar ocupou esse cargo, considerado o mais alto cargo político indicado no governo.

General Braga Netto era um dos ministros mais próximos do presidente Jair Bolsonaro e era responsável por coordenar programas e ações governamentais, além de participar da articulação política com o Congresso.

Um dos primeiros desafios enfrentados pelo General Braga Netto foi a coordenação do Centro de Coordenação das Operações do Comitê de Crise da Covid-19, que foi criado em março de 2020 para lidar com a pandemia do novo coronavírus.

O comitê foi composto por representantes de vários ministérios e tinha como objetivo integrar as ações do governo federal nas áreas de saúde, economia e assistência social.

Braga Netto também era responsável por apresentar os balanços diários das medidas adotadas pelo governo.

Em abril de 2020, Braga Netto lançou o programa Pró-Brasil, um plano de recuperação econômica pós-pandemia que previa investimentos públicos em obras de infraestrutura, desenvolvimento produtivo, capital humano, inovação e tecnologia.

O programa gerou divergências dentro do governo, especialmente com o então ministro da Economia, Paulo Guedes, que defendia a agenda de ajuste fiscal e reformas.

O Pró-Brasil acabou sendo reformulado.

Em julho de 2020, General Braga Netto foi diagnosticado com Covid-19 e ficou afastado do cargo por cerca de duas semanas.

Ele se recuperou sem complicações e retomou suas atividades presenciais em agosto.

Nesse mês, ele participou da cerimônia de posse do novo ministro da Educação, Milton Ribeiro, que substituiu Carlos Alberto Decotelli.

General Braga Netto e sua nomeação como Ministro da Defesa

A nomeação de Braga Netto como ministro da Defesa foi uma das mudanças mais surpreendentes da reforma ministerial promovida por Bolsonaro em março de 2021.

Segue um texto mais longo sobre sua gestão nessa pasta: Braga Netto assumiu o Ministério da Defesa em 29 de março de 2021, no lugar de Fernando Azevedo e Silva, que foi demitido por Bolsonaro após divergências sobre o papel das Forças Armadas na política.

A troca ocorreu em meio a uma crise sanitária e institucional no país, agravada pela pandemia da Covid-19.

No mesmo dia, os três comandantes das Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica) pediram demissão coletiva, em um gesto inédito na história do Brasil.

Braga Netto foi o terceiro ministro da Defesa do governo Bolsonaro e o segundo militar a ocupar o cargo, que foi criado em 1999 para ser exercido por civis.

Ele ficou à frente da pasta por um ano e dois dias, até 31 de março de 2022, quando deixou o cargo para se filiar ao PL e se tornar candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro.

Ele foi substituído pelo general Paulo Sérgio Nogueira, que era o comandante do Exército.

Como ministro da Defesa, General Braga Netto teve como principais desafios manter a unidade e a disciplina das Forças Armadas, evitar a politização e a ideologização dos militares, garantir o cumprimento da Constituição e da democracia, coordenar as operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e as missões de paz no exterior, fortalecer a indústria de defesa nacional e gerir os recursos orçamentários da pasta.

Entre as principais ações de Braga Netto como ministro da Defesa, destacam-se:

  • A participação das Forças Armadas no combate à pandemia da Covid-19, por meio do apoio logístico, sanitário e humanitário em todo o território nacional;
  • A realização das operações Verde Brasil e Amazônia, que visaram combater os crimes ambientais e o desmatamento ilegal na Amazônia Legal;
  • A coordenação das operações de GLO no Ceará, em fevereiro de 2020, durante a greve dos policiais militares do estado; no Maranhão, em novembro de 2020, durante as eleições municipais; e no Amazonas, em janeiro de 2021, durante a crise do oxigênio nos hospitais;
  • A condução das missões de paz das Nações Unidas no Líbano (UNIFIL), no Congo (MONUSCO) e na República Centro-Africana (MINUSCA), com a participação de militares brasileiros;
  • A assinatura do contrato para a construção da Corveta Classe Tamandaré (CCT), um projeto estratégico da Marinha para modernizar sua frota naval;
  • A entrega do primeiro submarino convencional com propulsão nuclear do Brasil (SN-BR), batizado de Álvaro Alberto, que faz parte do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB);
  • A inauguração do Centro Espacial de Alcântara (CEA), no Maranhão, que permitirá o lançamento de satélites brasileiros e estrangeiros a partir do território nacional;
  • A celebração dos 75 anos do fim da Segunda Guerra Mundial e dos 76 anos da Tomada de Monte Castelo pela Força Expedicionária Brasileira (FEB), com homenagens aos militares brasileiros que lutaram na Itália;
  • A divulgação de nota chamando o golpe de 1964, que deu início à ditadura militar no Brasil, de “marco histórico da evolução política brasileira”, em 30 de março de 2022;

Sua filiação ao PL

Braga Netto se filiou ao PL em 1º de julho de 2022, após deixar o cargo de ministro da Defesa.

Ele foi recebido pelo presidente nacional do partido, Valdemar da Costa Neto, que é um dos principais aliados de Bolsonaro no Congresso Nacional.

O PL faz parte do chamado Centrão, grupo de partidos que apoiam o governo em troca de cargos e verbas.

A filiação de Braga Netto ao PL já indicava sua intenção de ser candidato a vice-presidente na chapa de Bolsonaro.

O presidente já havia manifestado sua preferência por um militar para o cargo, em detrimento de um político civil.

Bolsonaro também elogiou Braga Netto em diversas ocasiões, chamando-o de “vice dos sonhos” e “cumpridor de ordens”.

A candidatura de Braga Netto a vice-presidente foi oficializada em 24 de julho de 2022, durante a convenção nacional do PL, em Brasília.

Na ocasião, Bolsonaro e Braga Netto discursaram para uma plateia de apoiadores e defenderam a continuidade do governo. Eles também criticaram os adversários políticos, especialmente o ex-presidente Lula (PT), que liderava as pesquisas de intenção de voto.

Como candidato a vice-presidente, Braga Netto atua como um dos coordenadores da campanha de Bolsonaro, ao lado de Valdemar da Costa Neto, Ciro Nogueira (PP), ministro da Casa Civil, e Flávio Bolsonaro (PL-RJ), senador e um dos filhos do presidente.

General Braga Netto também participa dos atos públicos e das viagens pelo país ao lado de Bolsonaro.

A escolha de Braga Netto para vice-presidente foi vista como uma forma de Bolsonaro reforçar seu discurso de defesa da ordem e da segurança pública, além de manter o apoio das Forças Armadas.

No entanto, também gerou críticas e questionamentos sobre o papel dos militares na política e sobre a possibilidade de uma ruptura institucional em caso de derrota nas urnas.

Condecorações

As condecorações que recebeu ao longo da carreira são um reconhecimento pelo seu desempenho e mérito como militar.

General Braga Netto possui 23 condecorações nacionais e outras quatro estrangeiras. Entre as nacionais, destacam-se:

  • A Ordem do Mérito Militar, a mais alta distinção honorífica do Exército Brasileiro, que é concedida a militares e civis que tenham prestado relevantes serviços à nação ou ao Exército. Braga Netto recebeu o grau de Grã-Cruz dessa ordem em 2018;
  • A Ordem de Rio Branco, a mais alta condecoração da diplomacia brasileira, que é concedida a personalidades que tenham se distinguido por seus serviços ou méritos excepcionais nas relações internacionais do Brasil. Braga Netto recebeu o grau de Grã-Cruz dessa ordem em 2019;
  • A Ordem do Mérito da Defesa, a mais alta condecoração do Ministério da Defesa, que é concedida a militares das Forças Armadas e civis que tenham prestado serviços relevantes à defesa nacional ou às Forças Armadas. Braga Netto recebeu o grau de Grã-Cruz dessa ordem em 2019;
  • A Legião do Mérito, a mais alta condecoração do Comando Sul dos Estados Unidos, que é concedida a militares e civis que tenham contribuído para a segurança e a cooperação hemisférica. Braga Netto recebeu essa condecoração em 2019.

Entre as estrangeiras, destacam-se:

  • A Medalha de Honra ao Mérito Militar da República da Polônia, que é concedida a militares e civis que tenham se destacado por seus serviços ou méritos nas Forças Armadas polonesas. Braga Netto recebeu essa medalha em 2007;
  • A Medalha de Honra ao Mérito Militar da República da Colômbia, que é concedida a militares e civis que tenham se destacado por seus serviços ou méritos nas Forças Armadas colombianas. Braga Netto recebeu essa medalha em 2018;
  • A Medalha de Honra ao Mérito Militar da República do Paraguai, que é concedida a militares e civis que tenham se destacado por seus serviços ou méritos nas Forças Armadas paraguaias. Braga Netto recebeu essa medalha em 2019;
  • A Medalha de Honra ao Mérito Militar da República do Chile, que é concedida a militares e civis que tenham se destacado por seus serviços ou méritos nas Forças Armadas chilenas. Braga Netto recebeu essa medalha em 2020.

Conclusão

Com uma vasta experiência e um currículo impecável, sua dedicação ao serviço público e ao Exército Brasileiro é indiscutível.

Durante sua carreira, o General Braga Netto ocupou diversos cargos de destaque, como a chefia do Estado Maior do Exército e a Secretaria de Estado de Segurança do Rio de Janeiro.

Em todas as suas funções, ele demonstrou competência e liderança, sempre buscando o melhor para o país e aprimorando as instituições.

Sua gestão à frente da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro foi um exemplo de coragem e determinação.

Em um momento crítico para a segurança pública do estado, ele liderou as ações necessárias para combater o crime organizado e devolver a paz e a tranquilidade para a população.

Além disso, o General Braga Netto é um profundo conhecedor do Brasil, sua cultura e sua história.

Sua formação acadêmica, aliada à sua vasta experiência em campo, faz dele um líder nato, capaz de compreender as complexidades do país e buscar soluções criativas e inovadoras para os desafios que se apresentam.

Suas condecorações e honrarias são prova do seu comprometimento com a nação e com a defesa da soberania nacional.

O Brasil tem muito a agradecer ao General Braga Netto por sua dedicação e por tudo o que ele já fez e ainda fará pelo país.

Em resumo, o General Braga Netto é um exemplo de liderança, competência e patriotismo. Sua trajetória é inspiradora e seu trabalho em prol da nação é motivo de orgulho para todos os brasileiros.