Marechal Deodoro da Fonseca

Nasceu: 5 de agosto de 1827 | Faleceu: 23 de agosto de 1892

Marechal Deodoro da Fonseca - Biografia
Marechal Deodoro da Fonseca

Marechal Deodoro da Fonseca é um nome que certamente figura nos livros de história do Brasil. Conhecido como o primeiro presidente da República, ele liderou um dos momentos mais significativos e conturbados da história brasileira.

No entanto, a vida e carreira deste homem não se resumem apenas à sua presidência. Deodoro foi um militar habilidoso e estrategista, que participou de importantes batalhas e conflitos armados, como a Guerra do Paraguai.

Além disso, sua história pessoal é repleta de curiosidades e eventos marcantes, como seu casamento com uma das filhas do poeta Tiradentes da Poesia. Neste artigo, vamos explorar a vida e carreira de Deodoro da Fonseca, conhecendo em detalhes suas realizações, suas lutas e seu legado para o Brasil.

Sumário:

Família e infância

Deodoro da Fonseca foi o primeiro presidente do Brasil, mas antes de entrar para a política, ele teve uma vida marcada pela influência militar e familiar.

Ele nasceu em 5 de agosto de 1827, na cidade de Alagoas, que hoje leva o seu nome em sua homenagem. Ele era filho de Manuel Mendes da Fonseca e Rosa Maria Paulina da Fonseca, ambos de origem portuguesa e de uma família tradicional na região.

Seu pai era vereador e militar, e transmitiu aos seus oito filhos o gosto pela carreira das armas. Todos os irmãos de Deodoro seguiram o exemplo do pai e entraram para o Exército.

Deodoro foi o terceiro filho do casal, e desde cedo mostrou interesse pela vida militar. Aos 16 anos, ele ingressou no Colégio Militar do Rio de Janeiro, onde se destacou como aluno e se formou como tenente em 1847.

Em 1860, ele se casou com Mariana Cecília de Sousa Meireles, mas não teve filhos. Essa foi a vida de Deodoro da Fonseca antes de se tornar um dos líderes da Proclamação da República e o primeiro presidente do Brasil.

Marechal Deodoro da Fonseca e a vida militar?

Marechal Deodoro da Fonseca, nascido em Alagoas, Brasil, em 5 de agosto de 1827, foi um importante líder militar e político brasileiro.

Ele é lembrado por seu papel na proclamação da República brasileira em 1889, quando liderou um golpe ao lado de republicanos e militares que derrubou o imperador Pedro II e estabeleceu o sistema republicano de governo no Brasil.

Deodoro da Fonseca foi o terceiro filho de uma família militar de grande prestígio na época, e desde cedo mostrou interesse pela carreira militar.

Aos 16 anos, entrou para o Colégio Militar do Rio de Janeiro, onde se destacou como aluno e se formou como tenente em 1846. Durante a Guerra do Paraguai, serviu como general e comandou várias batalhas importantes.

Após a Guerra do Paraguai, Deodoro da Fonseca se envolveu na política do Brasil como líder do movimento antiescravista do Exército, e em 1888, quando a monarquia brasileira estava em crise, foi nomeado presidente do Conselho de Ministros pelo imperador Pedro II.

No entanto, em 15 de novembro de 1889, Marechal Deodoro da Fonseca liderou um golpe de Estado que derrubou o imperador e estabeleceu a República brasileira.

Ele foi então nomeado presidente provisório do país e governou por cerca de um ano, antes de renunciar ao cargo.

Além de seu papel na proclamação da República brasileira, Deodoro da Fonseca também foi um apoiador da abolição da escravidão no Brasil.

Ele apoiou a Lei Áurea, que foi aprovada em 1888, e que finalmente pôs fim à escravidão no país.

Deodoro da Fonseca faleceu em 23 de agosto de 1892, em sua cidade natal, Maceió, Alagoas.

Ele é lembrado como um líder militar e político corajoso e patriota, que lutou pela liberdade e pela democracia no Brasil. Seu legado continua a inspirar muitos brasileiros até hoje.

Marechal Deodoro da Fonseca e sua participação nas guerras

Marechal Deodoro da Fonseca teve uma longa e brilhante carreira militar, que começou no Colégio Militar do Rio de Janeiro em 1843 e terminou com a proclamação da república em 1889.

Durante esse período, ele participou de três guerras importantes durante o Império: a Revolução Praieira, o cerco de Montevidéu e a Guerra do Paraguai.

A Revolução Praieira foi uma revolta liberal que ocorreu em Pernambuco entre 1848 e 1850, contra o governo conservador do Império.

Os revoltosos eram chamados de praieiros porque se concentravam na Rua da Praia, no Recife. Eles reivindicavam reformas políticas e sociais, como o voto universal, a liberdade de imprensa, a federação das províncias e o fim do poder moderador.

Marechal Deodoro da Fonseca, que era segundo tenente na época, ajudou a reprimir a revolta ao lado das forças imperiais, sob o comando do general José Joaquim Coelho.

A revolta foi derrotada em 1850, após vários confrontos sangrentos.

O cerco de Montevidéu foi um conflito que ocorreu entre 1864 e 1865, no qual o Brasil interveio na guerra civil uruguaia, apoiando o Partido Colorado contra o Partido Blanco.

O Brasil tinha interesses econômicos e políticos no Uruguai, pois era o principal parceiro comercial do país e queria evitar a influência do Paraguai na região.

O Partido Colorado era favorável ao Brasil, enquanto o Partido Blanco era aliado do Paraguai. Deodoro da Fonseca, que era capitão na época, participou do cerco à capital uruguaia, Montevidéu, que estava sob o controle dos blancos.

O cerco durou cerca de dez meses e terminou com a vitória dos colorados e a deposição do presidente blanco Atanasio Aguirre.

A Guerra do Paraguai foi uma guerra que ocorreu entre 1864 e 1870, na qual o Brasil se aliou à Argentina e ao Uruguai para combater a agressão do Paraguai, que invadiu os territórios dos três países.

O Paraguai era governado pelo ditador Francisco Solano López, que tinha ambições expansionistas e queria romper o isolamento do seu país.

O Brasil era o principal alvo do Paraguai, pois tinha uma grande extensão territorial e uma população escrava. Deodoro da Fonseca, que era coronel na época, comandou diversas batalhas importantes durante a guerra, como as de Tuiuti, Curupaiti e Lomas Valentinas.

Ele também foi ferido duas vezes em combate e recebeu várias condecorações por seus atos de bravura. A guerra terminou com a derrota do Paraguai e a morte de López em Cerro Corá.

Curiosidades

Marechal Deodoro da Fonseca estava doente e de cama nos dias que antecederam à proclamação da república.

Ele sofria de dipneia, que provocava falta de ar e tosse. Ele foi até o Campo de Santana, onde ficava o Ministério da Guerra, numa charrete e depois seguiu num cavalo manso.

Dias depois, esse mesmo cavalo foi aposentado por serviços relevantes prestados à República.
Deodoro da Fonseca não gostou da bandeira republicana que os republicanos apresentaram para ele, que era bem parecida com a dos Estados Unidos.

Ele insistiu que a nova bandeira seria parecida com a imperial, mantendo as cores verde e amarelo. Se não fosse por ele, teríamos uma bandeira com faixas horizontais.

Deodoro da Fonseca se apaixonou por uma viúva de Rio Pardo conhecida como baronesa do Triunfo, quando era presidente da província do Rio Grande do Sul.

Porém, a baronesa se aproximou de um desafeto de Deodoro: o senador Gaspar Silveira Martins. Conta-se que Deodoro se tornou republicano quando soube que Silveira Martins seria nomeado chefe do ministério imperial.

Deodoro da Fonseca era tio de outro ex-presidente da República: Hermes da Fonseca, que governou de 1910 a 1914. Hermes era filho de um dos irmãos de Deodoro: Hermes Ernesto da Fonseca.

Conclusão

Deodoro da Fonseca foi um dos principais personagens da história do Brasil no final do século XIX. Ele teve uma longa e brilhante carreira militar, que começou no Colégio Militar do Rio de Janeiro em 1843 e terminou com a proclamação da república em 1889.

Durante esse período, ele participou de três guerras importantes durante o Império: a Revolução Praieira, o cerco de Montevidéu e a Guerra do Paraguai.

Ele também se envolveu na política como líder do movimento antiescravista do Exército e como presidente da província do Rio Grande do Sul.

Em 15 de novembro de 1889, ele liderou o golpe de Estado que depôs o Império e proclamou a República no Brasil, ao lado de republicanos e militares.

Ele foi o primeiro presidente do Brasil, mas enfrentou dificuldades para consolidar o novo regime e renunciou ao cargo em 1891.

Ele morreu em 1892, aos 65 anos, sendo lembrado como um herói nacional e um dos fundadores da República brasileira.

Fontes:

  • Biografia de Deodoro da Fonseca – eBiografia. Disponível em: https://www.ebiografia.com/deodoro_fonseca/
  • Deodoro da Fonseca – Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Deodoro_da_Fonseca
  • Deodoro da Fonseca: quem foi, carreira, governo – Mundo Educação. Disponível em: https://mundoeducacao.uol.com.br/historiadobrasil/deodoro-da-fonseca.htm
  • Deodoro da Fonseca: o primeiro presidente do Brasil – Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/deodoro-da-fonseca.htm
  • Guerra do Paraguai: Dom Pedro II e Deodoro da Fonseca. Disponível em: https://aquelemato.org/guerra-do-paraguai-dom-pedro-deodoro-fonseca/
  • Marechal Deodoro da Fonseca renuncia presidência do Brasil. Disponível em: https://history.uol.com.br/hoje-na-historia/marechal-deodoro-da-fonseca-renuncia-presidencia-do-brasil
  • Fatos curiosos sobre Marechal Deodoro da Fonseca. Disponível em: https://maiscuriosidade.com.br/fatos-curiosos-sobre-marechal-deodoro-da-fonseca/